segunda-feira, agosto 28, 2006

Roupa de Marca a 1Euro

Dos melhores slogans que ouvi nos últimos tempos e que não é nada overpromise.
Visitem o centro comercial ao ar livre, commumente designado por Feira do Relógio (todos os Domingos), admito eu válido para outras feiras (Cascais, Carcavelos, Ladra, etc.), e constatem a capacidade de inovação, diferenciação, adaptação à envolvente e oferta que os feirantes (lojistas no Centro Comercial) têm para fazer valer a sua banca (loja) face à concorrente.
Os slogans são variados:
"Roupa da Floribella e da prima dela"
"Da indústria da minha Tia: roubo de noite para vender de dia"
"Restos El Corte Inglês, Zara, Bershka, Mango"
"A galinha dos ovos de ouro só vem uma vez por ano"
"Vamos lá que eu quero acabar com isto"
"Roupa de marca a 1 euro"
...
São tantos que um único post não chega para os relatar todos.
Mas o facto é que existe de tudo um pouco: pão, fruta, legumes, panelas, ténis, roupa, brinquedos, tapetes, carteiras, jogos game boy, malas de viagem, bla bla bla. Never ending story...
E o facto? Cheio de compradores que compram. Não é como os centros comerciais, cheios de compradores que passeiam. E as diferenças entre a roupa da loja e a da feira não é tanta assim, a não ser no preço.
Fiquei chocado com as marcas a 1 euro. Eu que trabalho e vivo a gestão de marcas. Mas vi marcas de topo a 10euros, a 20euros e a 1 euro.
Vão lá e vejam por vocês.

8 Comments:

Anonymous Samuel Reis said...

As feiras são um local de grande competitividade em que o Marketing na sua forma mais simplista e corriqueira surge por instinto como ferramenta habitual aos tão castiços e sempre aguerridos vendedores.
Já não é a primeira vez que quando circulo por uma feira sou surpreendido por algo que ainda de uma forma bem mais simples me faz pensar: "Já vi ou ouvi isto em qualquer lado!"
Tudo tem uma origem que por vezes nos surpreende e deixa perplexos pela sua simplicidade e pelo meio onde desperta. para a luz do dia.
As feiras poderão bem ter sido o meio onde surgiram as primeiras manifestações do Marketing e certamente onde se constatou pela primeira vez aquilo a que chamamos concorrência.
Quanto aos problemas da contrafacção e das Marcas de Topo a baixo preço é uma constante e um grande aliciante nas feiras que tende para alastrar com este panorama que se avisinha cada vez mais negro aqui neste cantinho a beira mar plantado poderá ser a médio/longo prazo um problema sério para as Marcas que se posicionam num patarmar bem mais elevado em termos de €€€.
E a diferença é muita e está quase toda no preço!!

11:24 da tarde  
Anonymous sOL said...

Pareçe ensinar muito bem..quem me dera que o meu stor fosse assim...O meu sonho era ter um CV como o seu...

3:53 da manhã  
Anonymous sOL said...

Quem me dera que o meu professor ensinasse assim...o meu sonho sempre foi o marketing só espero um dia vir a ter o seu CV...Continue porque é optimo a maneira como escreve e expõe a sua opinião...*

3:55 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Uma nota apenas para o que o Samuel diz...

Nem tudo ali é contrafacção..

È comum serem restos de colecção ou mesmo produtos com algum defeito que fez com que fossem recusados pelas marcas..

Há alguma responsabilidade das marcas, se pretendem manter-se acima daquele nivel em deixar que os produtos recusados sejam ali vendidos.

Exemplos práticos, roupa de cama ainda com os preços originais do El Corte Ingles (a serem vendidos a 1/3 do preço).

Ténis da Adidas a 1/3 do preço porque o simbolo da Adidas não está perfeitamente enquadrado nos Ténis.

Alguem diz que os pormenores fazem a diferença? acredito..mas 50 Euros de diferença nuns ténis, fazem MUITO mais diferença....

9:03 da tarde  
Anonymous Samuel Reis said...

Concordo e reformulo, tenho conhecimento de alguns desses casos e devo reconhecer que nem tudo é contrafação restos de coleções e peças com alguns defeitos também fazem parte do lote que encontramos.
O que me espanta é como as Marcas se permitem chegar a esse ponto, não tenho nada contra os vendedores das feiras nem contra estas, agora é bom que alguém ponha mão nisso pq a médio/longo prazo podemos passar da concorrência entre Marcas para a concorrência dentro da Marca a niveis nada benéficos para a imagem e para o valor que estas detém pois quando toca a €€€ o Zé é o primeiro a rumar pró lado que mais lhe convém e contra preços não restam muitos argumentos principalmente em alturas de crise.

11:30 da tarde  
Blogger Gato...não fedorento! said...

A feira é uma verdadeira "ciência"! Disto percebe o meu sócio, Zé Espanhol, conforme podem comprovar em http://ahpoiz.blogspot.com

A feira é que é, Ah...PoiZé!

3:36 da tarde  
Anonymous Vera said...

Olá Luis!
Assisti ao seu seminário sobre Comunicação Institucional, há dias, e devo dizer que gostei muito! Correndo o risco de ser pouco original, mas pq me parece importante realçar, não posso deixar de referir a sua excelente capacidade de comunicação e cativar a plateia. Não é fácil estar 2 dias a "despejar" teoria das 9h às 18h sem perder o interesse de quem assiste, ainda que por momentos. E o Luis conseguiu.

Mas o que me fez "postar" foi outro assunto. O tema das feiras é sem dúvida interessante de analisar e o conceito de "marketing na sua forma mais simplista" (marketing por intuição, atrevo-me a acrescentar), como foi referido pelo Samuel, lembrou-me um livro que me foi recomendado por um amigo, há uns anos, e me parece um excelente exemplo. O título é "David, uma lição de Vida & Marketing" - Editora Futura (Brasil). Deixo também o link do site para quem quiser consultar: http://www.davidportes.com.br/

Mais uma vez... foi um prazer assistir ao seminário!

4:15 da tarde  
Blogger  said...

Bom dia!
Achei o seu blog por acaso, enquanto estava a fazer uma pesquisa para um trabalho. Espero chegar a Junho e com o canudo de Marketing na mão!:)

Relativamente ao seu post, poderemos chamar-lhe um canibalismo de marca, porque realmente nas lojas estão a preços exorbitantes e chegámos a uma feira e está a um preço bastante mais baixo. Alguns produtos de marcas que se vendem na feira são contrafacção, sim. Mas também já aqui foi dito que são restos de colecções ou produtos que não se enquadravam na "perfeição". Falo por mim. Comprei uns ténis Puma na feira (da marca mesmo e não contrafeitos) e o problema que eles tinham era a palmilha descolada e um fio puxado num dos símbolos.
É verdade que com a crise em que estamos estes produtos sejam aliciantes, pois muita gente não possui recursos para adquirir os produtos na loja própria.

Desde já parabéns pelo blog.
Ah, não estaria um dia interessado em fazer uma conferência na Universidade da Beira Interior?:)

10:58 da manhã  

Enviar um comentário

Direccione-me

Criar uma hiperligação

<< Home