segunda-feira, janeiro 29, 2007

Falam falam...

(Cliquem na imagem)

Ficou este título conhecido por uma campanha de crédito habitação realizada há dois anos pelo Montepio que, através do Gato Fedorento, passava a mensagem de que nos outros bancos falavam muito e faziam pouco, coisa que no Montepio não era verdade.

Este item deu o mote para uma reflexão sobre o facto de muitas vezes sermos pouco pragmáticos na forma como montamos o nosso discurso.

Aqui fica um exemplo: Um qualquer Sr. Dr. solicita ao seu director de comunicação um texto para um discurso de um também qualquer evento. Como desconhecia as intenções da oratória o autor resolveu fazê-lo da forma mais abrangente possível, permitindo que o seu chefe lhe desse o uso mais adequado. Como vão poder constatar o texto permite falar muito sem nada dizer.

Pode-se conjugar qualquer expressão de uma linha listada na primeira coluna com qualquer outra da segunda e terceira respectivamente. As variações possíveis são cerca de dez mil e permitem falar ininterruptamente por várias horas.

De facto, o que parece fácil na prática requer muitas horas de treino, mas não falta quem domine a técnica de forma apurada. Este é um exemplo elevado ao extremo, no entanto não deixa de ser interessante o resultado final. Como se pode constatar, com planeamento e um discurso estruturado é possível falar durante horas sem dizer nada.

0 Comments:

Enviar um comentário

Direccione-me

Criar uma hiperligação

<< Home