quinta-feira, março 15, 2007

O Potencial dos Blogs

Weblog, Blog. Blogosfera.

A dimensão do fenómeno é tal que até deu origem a um termo para definir a sua colectividade.
Actualmente começa a impor-se a ideia de que quem não tem algum blog não está realmente a par do que se refere aos temas da cibercultura. Mas não disseram o mesmo acerca da febre das homepages em meados dos anos 90? Bem estruturado, um blog é algo útil, sem dúvida, e inclusivamente pode gerar algum negócio, mas convém separar o trigo do joio para não se ser levado por modas mais ou menos passageiras.
O que é realmente um blog? Um weblog, ou blog para os amigos (já conhecemos a facilidade dos ingleses para sintetizar termos e conceitos), é uma publicação baseada na internet que é alimentada por um ou mais utilizadores de forma periódica através de posts (comentários) que habitualmente se apresentam na ordem cronológica inversa. Os blogs, que nasceram como meros diários nos quais os autores contavam a sua vida e curiosidades, deram uma volta espectacular até desembocarem num novo género informativo.
A união faz a força, e a afinidade entre uns e outros, bem como a constante referência mútua, geraram múltiplos canais de comunicação que se enriquecem graças à ubiquidade e propiciados pela globalidade da internet.
O imediato, a contribuição altruísta e a implicação nas campanhas de opinião e mobilização social são os seus grandes valores.Este fenómeno desembocou naquilo a que se acabou por chamar de “jornalismo participativo”, cuja definição foi dada ainda em 1995 por Nicholas Negroponte ao afirmar que “no futuro os leitores terão a seu cargo a selecção das notícias e a escolha das suas fontes, criando o seu próprio diário pessoal”.
Mas os blogs dão um passo mais à frente, fazendo sua a confecção da informação e, nessa medida, entrando no terreno dos meios de comunicação convencionais. Aqui é onde se produz um choque com as estruturas próprias do sistema informativo vigente. E é aí que temos que questionar qual a entidade que representa um blog; qual a fiabilidade que nos pode dar um meio de comunicação tão volátil; quem nos assegura a preparação e profissionalismo dos seus autores; que solvência tem no momento de defender uma opinião no caso de colisão de interesses ou litígios com terceiros.
Por agora estas perguntas não têm uma resposta clara, mas é muito provável que a selecção natural acabe por se encarregar de deixar viver apenas os blogs mais relevantes e com pessoas e empresas capazes de responder a estas questões.

Construção fácil

A publicação partilhada de informação misturada com uma certa dose de opinião não é, como é óbvio, coutada exclusiva dos blogs.
Desde os anos oitenta, ainda a internet era pouco mais do que uma experiência, existem bases de dados temáticas onde especialistas dos mais diversos temas deixam as suas opiniões para que outros utilizadores as leiam. Anos mais tarde, os fóruns e grupos de notícias melhoraram e ampliaram estas funcionalidades. O que têm portanto estes diários que os tornam tão populares?
Para além de serem impulsionados, como dissemos de início, por um fenómeno mais ou menos febril, a chave principal do êxito radica na facilidade com que qualquer pessoa pode tornar pública informação de forma estruturada.
As ferramentas de construção de blogs não recorrem a tecnologias sofisticadas para oferecer os seus serviços: basta uma simples base de dados, um plano que defina o formato e combinar ambos para gerar uma página HTML, preenchendo os espaços vazios da segunda com a informação proveniente dos campos da primeira. Mais nada. Na verdade, se isto for feito num ambiente web – acessível a partir de qualquer local – e com um editor WYSIWYG, tudo se torna menos tortuoso e mais user friendly.Graças a esta estruturação dos conteúdos, os blogs admitem hoje em dia qualquer tipo de formato de informação: desde o simples texto atésom e vídeo.
E como na variedade está o trunfo, há wikis (blogs editáveis), photoblogs (onde as mensagens se combinam com imagens), vlogs (vídeos) e moblogs (actualizados a partir de telemóveis GPRS ou UMTS), para citar apenas alguns dos exemplos mais comuns.

Uma arma política e de pressão

Embora tenham aparecido como um recurso de índole pessoal, hoje em dia encontramos empresas e políticos como promotores de blogs. A nova utilização baseia-se na necessidade ou intenção de influenciar um determinado grupo expressando, como se faz tradicionalmente através de outros meios, uma opinião ou uma ideia.
Esta nova concepção de blog faz com que desde famosos a empresas estejam a apostar na publicação e promoção de espaços temáticos que se convertem em plataformas de influência, como os meios de comunicação, mas sempre de forma menos estruturada e mais directa.
Um dos melhores exemplos deste fenómeno foi o aparecimento de numerosos blogs após estalar a guerra do Iraque. Este é um bom exemplo do uso para o qual muitos blogs estão a tender: a denúncia social contra empresas, políticas ou actividades. O anonimato destes espaços virtuais potencia a livre expressão, pelo que, sobretudo nos Estados Unidos, muitos bloggers estejam a convertê-los numa plataforma para ataques pessoais, extremismo político e campanhas de difamação. Nesses casos é difícil identificar o impulsor real dessas iniciativas.No campo contrário, existem verdadeiros blogs de referência.
Sem ir mais longe, este mesmo ano a prestigiosa revista Fortune citou, pela primeira vez na sua história, os blogs de oito destacados homens de negócios – Peter Rojas, Xeni Jardin, Ben Trott e Mena Trott, Jonathan Schwartz, Jason Goldman, Robert Scoble, e Jason Calacanis – como imprescindíveis para qualquer homem de negócios que se preze.
Neste caso, como no anterior, o que impulsiona a criação do diário na internet não é o altruísmo pessoal – embora por vezes possa realmente existir uma certa componente de vaidade – mas sim, novamente, a vontade de influenciar ou criar tendências.
De facto, não são poucas as empresas que pagam a proeminentes especialistas de todos os âmbitos – economistas, apresentadores de TV, estrelas do mundo dos espectáculos, etc. – importantes somas para que criem e mantenham blogs que são utilizados para fazer chegar determinadas ideias e inclusivamente produtos comerciais.

Valiosas fontes de informação empresarial

Um blog tem um tema, um público e pode inclusivamente criar opinião. Mas será esta uma plataforma de que se pode tirar rentabilidade?
A verdade é que se começa a ver com cada vez mais clareza que a resposta é sim, embora não apenas no plano económico. Apesar dos blogs serem actualmente utilizados por um reduzido número de consumidores, para as empresas podem constituir uma valiosa plataforma de aprendizagem.
Tanto os seus leitores como os autores de um diário costumam gozar de grande conhecimento sobre o que escrevem e contam e, além disso, mantêm um alto grau de influência. A monitorização de blogs de referência pode assim trazer aos fabricantes informação muito valiosa sobre a opinião que os consumidores têm do seu produto. Habitualmente este conhecimento obtém-se a partir de estudos qualitativos com grupos reduzidos de consumidores-tipo, escolhidos conscienciosamente entre o público-alvo, e submetidos a sessões muito específicas para averiguar necessidades e valores fundamentais relacionados com uma solução já existente ou futura.
Todo este processo demora tempo e custa dinheiro, que pode deste modo ser em parte poupado.Acresce ainda que, no mundo do marketing, o sonho dourado de qualquer empresa é contar com consumidores que recomendem livre e espontaneamente os seus produtos ou serviços a outros. Isto não só poupa custos em publicidade e acções de promoção como, adicionalmente, dota a mensagem de uma credibilidade – a de quem experimentou o produto ou serviço – que nenhuma acção de marketing consegue alcançar.
É precisamente este o tipo de consumidor que costuma publicar e ler blogs, daí que cada vez mais empresas tentem influenciar o conteúdo das páginas de referência a fim de obter um efeito multiplicador nas suas vendas. Por fim, um blog não difere muito, quanto ao funcionamento e capacidade de influência, dos meios de comunicação tradicionais, pois tal como estes vivem da publicidade, também os diários online o podem fazer.
Como ocorre com muitas páginas na internet, quando se consegue assegurar uma quota de audiência e um nível de fidelidade, nada impede a exploração publicitária de um blog. Embora muitos puristas fiquem horrorizados com a ideia de intoxicar uma forma livre de expressão com publicidade, o certo é que é cada vez mais frequente encontrá-la nos blogs mais populares.Neste sentido existem páginas – como a problogger.net – que explicam aos bloggers como rentabilizar as suas criações.
Um dos sistemas que está a ter mais êxito é o programa Adsense do Google. Embora não específico para blogs, o Adsense permite a editores web de todas as condições mostrar, de forma fácil e rápida, anúncios Google relevantes para o conteúdo das suas páginas com o fim de gerar receitas. Dado que os anúncios estão orientados para aquilo que o utilizador procura nas suas páginas, ou relacionados com as características e interesses dos visitantes de acordo com o conteúdo das mesmas, tem, pelo menos teoricamente, um impacto publicitário muito maior.

Uma história de pioneiros

1994 Justin Hall é considerado o primeiro blogger, quando estudava no Swarthmore College.
1997 O termo weblog é criado por Jorn Barger em Dezembro.
1998 Aparece o primeiro centro de blogs sob o nome Open Diary. Um ano mais tarde tinha 2000 referências, e em Setembro de 2005 contava com 400.000.
1999 A versão curta, blog, de weblog foi criada por Peter Merholz, que, no início de 1999, quebrou a palavra weblog na frase we blog na barra lateral da sua página. Isto foi interpretado como a forma curta do nome e também nasceu o verbo to blog, que equivale desde então a “editar ou publicar no seu próprio diário”.
1999 A utilização dos blogs difunde-se com o aparecimento quase simultâneo dos primeiros serviços de alojamento e gestão de páginas: Blogger, propriedade da empresa Pyra Labs, e GrokSoup.
2003 Em Março deste ano o dicionário de inglês da Universidade de Oxford inclui os termos weblog, weblogging e weblogger na sua obra de consulta.

Endereços de interesse
Sistemas para rentabilizar blogs
- AdBrite http://www.adbrite.com/mb/
- Blogads http://www.blogads.com/
- Blogkits http://www.blogkits.com/
- Chitika eMiniMalls http://chitika.com/mm_overview.php?refid=livingroom
- Google Adsense https://google.com/adsense/
Consultoria:
- Business Blog Consulting http://www.businessblogconsulting.com/
- Problogger www.problogger.net
- Professional Bloggers Association http://www.probloggers.org/
- The Big Blog Company http://bigblogcompany.net/
Redes de blogs:
- About.com http://www.about.com/
- Breaking News Blogs http://www.breakingnewsblog.com/
- Creative Weblogging http://www.creative-weblogging.com/
- Gawker Mediahttp: //www.gawker.com/
- Weblogs Inc http://www.weblogsinc.com/

0 Comments:

Enviar um comentário

Direccione-me

Criar uma hiperligação

<< Home